Wednesday, August 31, 2011

O novembro mais doce

Acho que foi o novembro mais intenso que vivi, ao seu lado.

Agora, enquanto ouço Tiziano Ferro, lembro-me de quando fazíamos amor e tudo parecia possível. Acho que tudo era possível.

Ainda é tudo possível.

Sei que por agora seus passos estão maculados e seu desejo dista do meu. Quantas vezes, entretanto, ao dormir recordo-me de seus beijos e seu carinho intenso. Quantas vezes, ao despertar, imagino seu toque doce a me embalar. E que saudade do pecado que vivemos e das mentiras que contávamos. Que saudade daquele tempo onde não tínhamos culpa e rir era o que nos mantinha juntos.

Tiziano continua seu ritmo e agora grita “te amo” da mesma forma com que fazíamos um ao outro quando ouvíamos.

Não tenho mais o vinho que nos embriagara e nem as taças que quebramos em enlouquência. Nem mais somos os mesmos, doce criança. Mas não haverá outro sentimento senão amor. Talvez será eterno o que sinto e nunca me esquecerei de você. Mas agora, sobretudo, respondo ao seu apelo e digo que passou.

Ficamos bem distantes um do outro. Tornamo-nos piores, eu sei, porque continuamos sem culpa e o que fazemos não necessita de personagens. Precisamos desse alimento doce, dessa dor que provocamos ao alheio para seguirmos vivos.

Talvez mudemos um dia, mas até lá, sigamos nossos caminhos, separados.

Um beijo suave,

E.

Tuesday, August 30, 2011

talvez...


é tarde e preciso dormir.

é tarde. preciso guardar meu canto e apenas adormecer.

sonhar.

talvez sonhar com você ou com quem quer que seja.

talvez não.

talvez o que sinto seja apenas ansiedade.

talvez eu tema pelo desconhecido.

talvez eu tema pela distância do amigo mais amado.

talvez esse amigo mais amado aceite meu convite.

talvez...

vou apenas dormir, amigo, amado, irmão, amante.

não amante de sexo, amante de ouvido.

amigo de ouvido.

amigo mais amado.

esteja em paz.

E.